sexta-feira, 10 de julho de 2009

VILA VIVA OU VILA MORTA? UMA REFLEXÃO OBRIGATÓRIA (II)




No post intitulado "VILA VIVA OU VILA MORTA? UMA REFLEXÃO OBRIGATÓRIA", comentamos que o Programa Vila Viva da Prefeitura de Belo Horizonte é falho.

Para reforçar ainda mais nosso posicionamento, recentemente recebi um documento da Defensoria Pública de Minas Gerais que está assessorando juridicamente os moradores contra a intervenção Pública. Não consegui publicar na web as imagens. As imagens que ilustram esse post foram retiradas do referido documento.

Vale a pena ler o relatório, pois, dentre outras coisas, temos a visão dos moradores que são contra o programa pois, em resumo, suas decisões vem "de cima pra baixo".

Como discuti aqui, o Morro das Pedras é mais um exemplo de que os professores de arquitetura e urbanismo devem possuir formação e experiências diversas.

Afinal de contas, apropriando das palavras do Felipe Botelho, "não seríamos nós que deveriamos cuidar da saúde urbana?!?!?!"

Pois então! Cadê os arquitetos urbanistas?

2 comentários:

Joel Francischetti disse...

Vocês estão é contribuindo para a criação de mais uma favela em Belo Horizonte ao apoiar a Invasão Dandara. Ficam dentro de suas salinhas de aula pagas por nós contribuintes e causando mais transtornos para Belo Horizonte, basta os que já temos.Estamos cheios disso, a população está se revoltando...

Marco Antonio Borges Netto - Marcão disse...

Joel,

Tudo bem?

Desculpe-me a demora em te responder.

Espero que os posts http://escritoriointegracao.blogspot.com/2009/10/parecer-juridico-sobre-o-projeto-de-lei.html e http://escritoriointegracao.blogspot.com/2009/09/sobre-habitacao.html ajude a esclarecer.

E não ficamos somente em salas de aula, o que é de suma importância, mas atuamos na prática, conforme exemplifica o post http://escritoriointegracao.blogspot.com/2009/05/escritorio-de-integracao-participa-do.html.

Venha nos conhecer.

Seja bem vindo e volte sempre.

Abraços,

Marcão.